sexta-feira, 22 de julho de 2011

(Quando o telefone não me permitiu falar)

Nós nunca fomos muito boas em falar sério uma com a outra.
Sempre vem uma risada, uma piada.
Sabe, as vezes acho que esse espelho grande que tem no teu quarto não reflete
o que tu deveria ver .
Você nem imagina o quanto é linda. Já deve ter ouvido ou lido isso de muita gente.
Mas olha, eu não falo dessa beleza que os caras enxergam em ti quando a gente sai por aí, ou que muitas meninas invejam.
Acho que as pessoas te julgam, esquecendo que atrás desses " dois peitões sedutores" (risos) existe um coração. Um coração que quer fechar os olhos, que deseja perder a visão de vez.
Isso é arriscado, falo porque o meu também já quis.

Sabe esse cara? De fato ele é um idiota. Ele é burro, imbecil mesmo.
Como pode? Tão desprovido das coisas essenciais, coitado.
Falta-lhe mesmo até um dente e joga fora assim uma mulher que daria por ele a alma, o coração e correu pros braços, perdoou vezes e vezes.O abraço que mais queria e que um dia não quis.Relacionamento com gente maluca só pode dar nisso mesmo.
Engraçado né? Que um dia a gente recusa, outro dia ama, outro dia odeia, depois acha que ama. Depois quer esquecer.

Não esqueça. Dizer que esqueceu alguém que passou assim como um tufão é querer se enganar.
A memória da gente, infelizmente, não tem essa função de deletar facilmente aquilo que machucou, deixou cicatriz.
SE CURE.
Amor ruim se cura com amor bom. Mas olha, não falo de se jogar desesperadamente nos braços de outro homem qualquer, achando que vai viver história de filme, que as promessas são reais. Que os prazeres do corpo vão resolver essa angústia que ele deixou por aí.
Eu falo de amar VOCÊ. De amar as coisas que você ainda pode fazer, de relembrar aqueles planos que tinha e acreditava alguns anos atrás, mas ficaram amassados e jogados em alguma gaveta.
Eu falo de imaginar um futuro bom (e agir pra isso), deixando restar as pessoas que de fato importam.
Os amigos de bar. Quantos são? Os amigos de toda hora. Quantos ficam?
E quer saber? Eu nunca gostei mesmo desse cara. Eu fingi muitas vezes pra te agradar, porque você me parecia feliz com ele. Se eu pudesse te fazer mudar de ideia. Se eu tivesse conseguido te convencer de que ia dar errado. E tu ainda ficou com raiva de mim, não conseguiu ver que eu só queria teu bem. Eu nunca vou esquecer daquela nossa briga em fortaleza, que tu disse: QUANDO EU PRECISAR DA SUA OPINIÃO EU PEÇO. (falando com ele ao telefone)

ORA MAIS QUE PORRA. Eu sou tua amiga a tanto tempo, a tantas horas . EU DOU MINHA OPINIÃO QUANDO EU QUISER. E AI DE TI SE ACHAR RUIM. PROBLEMA TEU.

Mas eu deixei, deixei você ir. Calei.Fechei os olhos pra não ver você caindo.

Eu amo você. Acho que disso não da pra duvidar. Acompanharia você quantas vezes precisasse, mesmo as vezes ficando chateada com esse teu jeito bruto de ser, que as vezes magoa sem querer, que as vezes não mede as palavras que diz. Eu aprendi a te entender e a não te julgar.
Eu aprendi a me colocar no teu lugar.
E olha, vai ficar tudo certo. Deixa ele ir cantar em outra freguesia, fazer mil promessas pra uma fulana qualquer, enquanto a gente sai por aí, sorrindo pro vento, do vento.
Quer Coca-Cola?

Um comentário: