sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Pra vocês N° 1

Se existe algo de bom em mim hoje, você é culpada.
Acho que sabe muito bem quantos caminhos errados percorri
e quantas escolhas precipitadas eu fiz. Nem preciso dizer nada.
Me perdoe por lhe magoar ás vezes. Não é por mal e não foi por mal.
Eu simplismente não suporto como eu era.
Aquela pessoa de triplas e quádruplas personalidades. Ela se foi (pelo menos eu acho),
e se ainda restar algo dela, quero dar o máximo de mim pra que se acabe de vez.

Tem sido muito difícil crescer, me perdoar pelos meus erros, tem sido muito difícil descobrir como juntar os caquinhos de tudo que eu quebrei, das oportunidades que eu joguei fora.

Acho que eu só preciso mesmo é de tempo, pra pensar, pra me curar. Meu coração dói de verdade, e dói agora, enquanto escrevo isso. Da um aperto horrível.

Chegar aos 18 anos e olhar pra trás não é fácil. Pra falar a verdade é horrível. Se arrepender de mais de 5 anos da vida, entende?
Acho que entende sim.

Por mais que as dores e as mágoas que eu mesma me causei sejam muitas, eu tenho certeza de que um dia vai ficar tudo bem.
Quando eu penso que vai ficar tudo bem, eu penso em você e nele. No quanto vocês lutaram juntos e estão felizes agora , tendo tantas realizações.
Lembra que antes eu gritava, literalmente gritava pro mundo? Eu era tão egoísta.
Hoje em dia é muito, muito difícil externar as coisas. Pra escrever esse texto eu to me espremendo que nem um limão, é sério.
É difícil chegar pra você e pra ele e pedir desculpas,mas eu queria.
Eu queria muito que você e ele pudessem conhecer como eu sou agora e quem estou me tornando.
Ainda tem muita coisa pra mudar, pra aprender. Eu nem sei ainda o que quero ser quando crescer, por exemplo.
Eu sei que posso contar com vocês, mas pedir ajuda também tem sido uma grande limitação.
E não é por orgulho, eu juro.
Eu to num processo muito difícil, de tentar mudar certos comportamentos.
A terapia também ta sendo uma grande experiencia. Resgatar tudo o que eu fiz é muito doloroso. Falar sobre o meu passado.
Quase sempre eu volto pra casa e choro por mais de uma hora.
Durante alguns meses eu simplismente fiquei agindo como se nao tivesse nada de errado comigo, como se tudo tivesse passado num piscar de olhos, mas as coisas não são assim.
Eu lembro dos conselhos dele, que só hoje em dia fazem sentido.
Lembro dos seus também, que fazem mais sentido ainda.
Só tenham um pouco mais de paciência, to tentando e sei que vou conseguir.
Eu quero muito que vocês se orgulhem de mim.

Eu amo vocês.




Um comentário: